Com apenas 11 anos, aluno da SuperGeeks de Canoas (RS) desenvolve game de combate ao Coronavírus e é vencedor da competição Nacional do 3º Super GameJAM

Anuais, as competições GameJAM da SuperGeeks reforçam a importância do ensino de Ciência da Computação desde cedo, e trazem temas atuais para que os participantes desenvolvam seus próprios games

Aluno do sexto ano, Victor Gabriel Pitrosky Agostini, de apenas 11 anos, é o vencedor da Super GameJAM, promovida pela SuperGeeks – primeira e maior escola de programação e robótica para crianças e adolescentes do país. A competição de desenvolvimento rápido de games ocorre anualmente e está em sua terceira edição. Em vista da pandemia da COVID-19, foi realizada totalmente online e trouxe como tema para este ano “Todos contra o Coronavírus”. Alunos de todo país participaram da competição.

O jogo “Combate ao Covid-19” desenvolvido e lançado por Victor, chama atenção para a necessidade de conscientização e prevenção à doença e foi o vencedor do concurso nacional. Isso porque a Competição é dividida em dois momentos, a local e a nacional, nos quais em cada um há uma votação para definir o melhor jogo. No ano passado, Victor já havia conquistado o primeiro lugar no Estado do Rio Grande do Sul e o segundo lugar Nacional na Competição GameJAM.

Em segundo lugar na competição deste ano, ficou a aluna Maria Luiza Dias da Silva Freitas, que é de Itu (SP) e tem 15 anos, e em terceiro, Érica G. Tavares, de 9 anos e de Sorocaba (SP).

No Level 1 do curso de Ciência da Computação da SuperGeeks, Victor fala sobre a importância do ensino de Ciência da Programação desde cedo: “Quanto mais cedo puder começar é melhor, pois é muita coisa para descobrir e se aperfeiçoar. Estou construindo o meu futuro e já sei que pretendo trabalhar na área de criação de jogos”.

O principal objetivo da SuperGeeks é preparar crianças para demandas futuras e fazer com que façam parte de uma massa digital qualificada e preparada. “Ensinar programação e robótica desde cedo passa a ser fundamental para o desenvolvimento do país. A programação está em diferentes áreas do conhecimento, como na medicina, biologia, segurança e administração”, explica Marco Giroto, fundador da SuperGeeks.

Muitos países de primeiro mundo estão mudando suas leis para que ciência da computação seja inserida na grade curricular, como matéria obrigatória, das escolas. No Brasil mais recentemente com a BNCC (Base Nacional Comum Curricular), a cultura digital foi reconhecida como uma competência que deve ser dominada. 

Além de desenvolver diversas competências e habilidades (Soft Skills) ao aluno, como raciocínio lógico, criatividade, resolução de problemas, pensamento crítico e sistêmico, foco, concentração, inglês, entre outros, a disciplina é imprescindível para a formação dos profissionais do futuro.

“Ao desenvolver meu jogo, aprendi a criar games mais bem feitos e elaborados, pois fiquei horas estudando, assim como melhorei a minha concentração e fui disciplinado. O fato da competição ter sido online também foi bom, pois eu pude escolher o melhor horário e me dedicar bastante”, conta Victor.

As GameJAMs da SuperGeeks consistem em encontros entre os alunos e tem como objetivo o desenvolvimento de um game com base em um tema e em pouco tempo. Os participantes trabalham individualmente ou se dividem em pequenas equipes, de até três membros, em que cada um tem sua função no processo de desenvolvimento. As equipes competem entre si para desenvolverem o jogo mais completo e divertido. 

O evento é destinado a alunos que estão cursando a partir do Level 1 do Curso Regular de Ciências da Computação (a partir do 2º semestre, equivalente à Fase 2) da SuperGeeks, e que tenham a idade entre 9 e 17 anos. Todos os alunos devem seguir as regras estabelecidas pela rede para poderem participar e concorrerem ao Prêmio.

A avaliação do melhor é feita uma semana depois do início do evento. A votação é aberta ao público, através das redes sociais (Facebook), além da avaliação de alguns membros da franqueadora da SuperGeeks, que é o júri do evento. Os critérios de avaliação vão desde adequação do jogo ao tema proposta, estética, mecânicas utilizadas e narrativas.

Conheça o game vencedor “Todos juntos contra o Coronavírus”, disponível através do link: http://concordia.g12.br/covidgame/ .

Como dica para as próximas GameJAM, Victor aconselha todos os competidores a estudarem, se esforçarem e se dedicarem. “Fiquei horas estudando e tentando fazer dar certo”. Por ser o vencedor da competição, a SuperGeeks concedeu uma bolsa de estudos para o Nível 2 do curso.

Sobre a SuperGeeks

Fundada em 2014, a SuperGeeks é a primeira e maior escola de Programação e Robótica para crianças e adolescentes do Brasil. Com mais de 5 mil alunos matriculados, a rede atende crianças entre 05 e 17 anos que fazem cursos para aprender Ciência da Computação, a partir do desenvolvimento de games, do conhecimento em Robótica, Realidade Virtual e Aumentada, Inteligência Artificial e também por meio da criação de aplicativos e sistemas web, incluindo questões de redes de computadores e servidores. Os alunos podem optar na realização do curso presencial, ou através do SuperGeeks.Live, na qual as aulas são ministradas ao vivo, via internet.

Com mais de 70 unidades em operação no país, a marca conta com projeto de expansão também para outros países, como Portugal, Estados Unidos, Japão e regiões de língua espanhola. A rede oferece modelos de negócios com investimentos que variam entre R$6 mil e R$200 mil.

Para saber mais, acesse https://supergeeks.com.br/

Informações para a imprensa:

LuckyCom

Adriana Guedes

Tel.: (11) 5573-4777

lucky1@luckyassessoria.com.br

www.luckyassessoria.com.br