Pandemia faz brasileiro apostar cada vez mais no delivery

Uma pesquisa feita pela Kantar mostra que 53% dos brasileiros prefere utilizar o serviço de duas a três vezes por semana

Se antes o mercado de delivery já era uma tendência, hoje temos a certeza de que ele veio para ficar. O último estudo divulgado pela Kantar Thermometer, líder global de dados, insights e consultoria, mostra que devido à pandemia, 53% dos brasileiros preferem utilizar o serviço de delivery.

Pedidos por telefone, via aplicativos de entrega ou mesmo pela internet, aumentaram muito e não apenas para o segmento de alimentação. Redes de franquias como Neo Delivery, N1 Chicken e Brasileirinho Delivery, que atuam com delivery, contam como o mercado está crescendo e se aperfeiçoando cada vez mais.

“Já acreditávamos antes mesmo da pandemia, que o delivery seria uma tendência mundial, pela rotina das pessoas. Agora então temos a convicção de que não é mais uma comodidade somente pela rotina, mas sim uma necessidade”, declara Jhonathan Ferreira, diretor executivo da Neo Delivery.

A Neo Delivery, rede de franquias que atua através de um aplicativo de entrega via moto frete, antecipou seu lançamento no mercado em decorrência do período de distanciamento social enfrentado por diversos Estados do Brasil para evitar a proliferação do novo coronavírus, para o início do segundo semestre deste ano inicialmente em São José do Rio Preto (SP), sede da marca e unidade piloto, e já tem outras inaugurações previstas.

Jhonathan acredita que com a pandemia, ficou mais claro como o mercado de delivery pode gerar muitos empregos e como é necessário investimento em melhoria para o setor. “É importante desenvolver entregadores, como donos do seu negócio, que eles saibam a importância que sempre tiveram e estão tendo ainda mais agora, reconhecê-los com comissões mais justas, rotas que facilitam a entrega e minimizam tempo e menos gasto com combustível”, comenta.

Jhonathan também é fundador de outra empresa nesse segmento, a Brasileirinho Delivery, rede de franquias especializada em comida típica brasileira na caixinha. Fundada em 2013, a marca sempre teve como principal meio de vendas o delivery. Inclusive a Neo Delivery surgiu a partir da necessidade de delivery da própria Brasileirinho. “O Delivery aparece como uma opção bem atrativa para o cliente que pode escolher onde quer receber e, no caso da Brasileirinho Delivery poder comer em praticamente qualquer lugar devido à praticidade do Box”, comenta Jhonathan.

Em meio a pandemia, a Brasileirinho Delivery presenciou um crescimento de 1,5% nos pedidos via delivery, esse aumento se deu pela experiência da rede pelo serviço, já que trabalhava com esse modelo, enquanto muitos estabelecimentos tiveram que se adaptar às pressas. A rede espera manter esse crescimento, e a ferramenta utilizada para isso, será o aplicativo da empresa que teve um aumento de 19% de uso nas últimas semanas.

Outra vertente que vem crescendo com a pandemia é o Dark Restaurant ou Dark Kitchen que são empresas de alimentação que apostam em delivery, sem atendimento presencial ao consumidor. A capixaba N1 Chicken é uma das empresas que já nasceu com esse conceito. Fundada em 2017 por cinco jovens empreendedores, marca brasileira, mesmo com nomeação em inglês, a rede se apoia em três pilares: criatividade, colaboração e simplicidade.

Como o próprio nome diz, seu carro chefe é a produção de frango frito crocante, que é preparado com tempero secreto. Para o empresário o conceito dark kitchen é vantajoso por diversos motivos. “Quando uma empresa é direcionada exclusivamente para o delivery, é possível aumentar a produtividade da equipe e os resultados, pois não há foco em atendimento local, e isso também reduz custos no investimento inicial e operacional, por exemplo. Além disso, também há a possibilidade de se trabalhar mais de uma marca na mesma cozinha”, comenta.

A prova disso é que no mês de março, a rede viu seu faturamento crescer 46% devido ao período de isolamento voluntario. “Desde a primeira semana que foi aconselhado a quarentena, nossas vendas cresceram consideravelmente”, estima. O N1 estima que os próximos meses esse crescimento se mantenha.

Mesmo que as redes de franchising ainda estejam engatinhando na modalidade delivery, ela vem crescendo constantemente, a expectativa é que até 2023 ela cresça 7,6% segundo a consultoria especializada em food service Galunion. A expectativa do N1 Chicken é finalizar 2020 com 250 unidades comercializadas e novas marcas.

Informações para a imprensa:
LuckyCom Comunicação Integrada

Ana Paula Lima
Adriana Guedes
Patrícia Buzaid
lucky@luckyassessoria.com.br
(11) 98211-3100